Introdução

Se um dente quebra ou é danificado pela cárie, o dentista tentará consertá-lo com uma restauração, coroa ou outro tratamento dentário. Mas, quando o dano é muito grande, pode haver a necessidade de extraí-lo.

Algumas razões comuns para a remoção de dentes, além de danos e cárie, são:

Algumas pessoas possuem dentes adicionais, que compromete o alinhamento dos dentes.

Dentes de leite (decíduos), por vezes, não caem e atrapalham a erupção dos dentes permanentes.

Pessoas que colocarão aparelhos ortodônticos podem precisar da extração de dentes para abrir espaço para os dentes que serão alinhados.

Pessoas que se submetem à radioterapia na cabeça ou pescoço podem ter de extrair alguns dentes.

Pessoas que recebem medicamentos contra o câncer podem desenvolver algumas infecções, pois esses medicamentos fragilizam o sistema imunológico. Dentes infeccionados podem necessitar de extração.

Os dentes do siso, também chamados de terceiros molares, são quase sempre extraídos antes ou depois de se irromperem na boca. Eles normalmente nascem ao final da adolescência, próximo dos 20 anos, e precisam ser extraídos caso estejam com cárie, infectados ou caso não haja espaço suficiente na boca.

Compreensão

Há dois tipos de extrações:

Extração simples

Realizada em um dente totalmente erupcionado (que nasceu completamente). Dentistas clínico-gerais normalmente fazem extrações simples. O dentista usa instrumentos chamados elevadores e fórceps.

Extração cirúrgica

Esse é um procedimento mais complexo, usado caso um dente tenha se quebrado dentro do osso ou se ainda não irrompeu. Normalmente, são os cirurgiões buco-maxilo-faciais que realizam esse procedimento, muito embora dentistas clínico-gerais também possam realizá-lo. O dentista faz uma pequena incisão (corte) em sua gengiva para remover dente quebrado ou o dente do siso incluso. Pode ser necessário remover um pouco de osso em torno do dente ou cortá-lo pela metade para extraí-lo.

Durante a extração do dente, é normal que você sinta pressão, mas não dor. Se você sentir dor, informe o dentista, pois a anestesia pode não estar agindo adequadamente.

Planejamento

Passar por uma extração de dente é um procedimento cirúrgico. Você pode ter um pouco de desconforto mesmo após extrações simples. Pesquisas mostram que tomar medicamentos que incluam ibuprofeno podem reduzir bastante a dor após extrações dentárias.Tome as primeiras pílulas antes de passar o efeito da anestesia local e continue tomando as medicações nos 3 ou 4 dias seguintes, ou conforme a recomendação do dentista.

Extrações mais complexas geralmente causam mais dor após o procedimento do que extrações simples. O nível de desconforto e sua duração dependerão da dificuldade de remoção do dente. O dentista poderá prescrever medicamentos contra a dor por alguns dias. A maior parte da dor desaparece após alguns dias.

Eis algumas dicas para auxiliá-lo a minimizar seu desconforto e acelerar sua recuperação:

Você pode colocar bolsas de gelo sobre o rosto para reduzir o inchaço. Normalmente, as bolsas são deixadas por 20 minutos e removidas por mais 20 minutos. Caso sua mandíbula esteja dolorida e enrijecida após o inchaço, faça compressas mornas.

Coma alimentos macios e frios por alguns dias.

Um enxague bucal suave com água morna e sal, 24 horas após a cirurgia, pode auxiliar a limpar a área. Use meia colher de chá de sal em uma xícara de água.

A maior parte do inchaço e sangramento acaba dentro de um dia ou dois após a cirurgia. A recuperação completa leva pelo menos duas semanas.

Você não deve fumar, usar canudos ou cuspir após a cirurgia. Estas ações podem deslocar o coágulo sanguíneo formado onde o dente estava.

Contate o dentista ou cirurgião odontológico caso:

O inchaço piore, em vez de melhorar.

Você sinta febre, calafrios ou vermelhidões.

Você tenha problemas para engolir.

Você tenha sangramentos incontroláveis na região.

A área continue a sangrar após as primeiras 24 horas.

Sua língua, queixo ou lábios estejam dormentes durante mais de 3 ou 4 horas após o procedimento.

Você sinta muita dor na região – Isso pode ser um sinal de alveolite.