Especialistas médicos estudam a Eletroencefalografia do paciente
Badge field

Como cuidar da epilepsia e da saúde bucal | Colgate®

Published date field

 

A epilepsia é um distúrbio neurológico no qual a pessoa tem convulsões crônicas imprevisíveis. Se você tem um amigo ou alguém de sua família que tenha convulsões, essa pessoa pode controlar os sintomas com medicamentos antiepilépticos. O que talvez você não saiba é que esse distúrbio e esses medicamentos às vezes têm efeitos na saúde bucal. Mas é possível controlar a epilepsia e cuidar da saúde bucal quando se compreende os riscos e como tratá-los.

 

O que é epilepsia?

 

A Mayo Clinic descreve a epilepsia como um distúrbio do sistema nervoso que causa períodos de atividade cerebral anormal. Essa situação pode afetar qualquer processo controlado pelo cérebro, resultando em convulsões ou mudanças de comportamento ou na consciência.

 

A epilepsia pode ser hereditária ou pode ser causada por traumatismo craniano e tumores cerebrais. Em adultos acima de 35 anos, o derrame é uma das principais causas de epilepsia. Além disso, doenças como meningite, AIDS e encefalite viral também podem desencadear esse distúrbio, assim como lesões antes do nascimento ou outros distúrbios de desenvolvimento. Apesar dessas causas conhecidas, a Faculdade de Odontologia da Universidade de Washington relata que a causa exata da epilepsia é desconhecida em 75% das pessoas diagnosticadas com a doença.

 

Embora possa afetar tanto homens quanto mulheres de todas as idades e etnias, a epilepsia é observada em menos de 1% da população e ocorre com mais frequência nos homens.

 

Sintomas comuns de epilepsia

 

De acordo com a Mayo Clinic, os sinais e sintomas de epilepsia variam; no entanto, uma pessoa com epilepsia muito provavelmente terá o mesmo tipo de sintomas em cada episódio. Os seguintes sintomas são geralmente observados com convulsões generalizadas, que ocorrem quando o cérebro inteiro é afetado:

 

  • Confusão temporária, piscar de olhos ou olhar fixo
  • Desmaio súbito
  • Movimentos abruptos e incontroláveis ou rigidez dos braços e pernas
  • Perda de consciência

 

Riscos para a saúde bucal

 

As convulsões generalizadas acarretam um risco de ferimentos na língua e em outras áreas da boca, como explica a Faculdade de Odontologia da Universidade de Washington. As convulsões também podem danificar a articulação temporomandibular ou fazer com que a pessoa aspire um dente para dentro dos pulmões.

 

Infelizmente, os medicamentos usados para controlar esse distúrbio também podem produzir efeitos colaterais na boca. Um efeito colateral frequentemente associado aos medicamentos antiepilépticos é a hiperplasia gengival, um crescimento excessivo do tecido gengival. Como informa um artigo publicado na revista Journal of Indian Society of Periodontology, a fenitoína é um antiepiléptico muito utilizado em crianças e pode causar hiperplasia gengival em 50% dos pacientes que usam esse medicamento.

 

Um estudo publicado na revista Journal of International Oral Health afirma que os antiepilépticos também podem causar xerostomia, mais conhecida como boca seca. Como a saliva remove restos de alimentos e bactérias dos dentes, a boca seca pode torná-los mais suscetíveis à cárie dentária, explica a Associação Americana de Odontologia.

 

Como cuidar da epilepsia e da saúde bucal

 

Como as dentaduras e próteses parciais removíveis podem quebrar e representam risco de asfixia durante as convulsões, as próteses fixas podem ser a melhor opção para pessoas com epilepsia, de acordo com a Faculdade de Odontologia da Universidade de Washington. Para evitar traumatismos nos dentes durante a noite, o dentista pode sugerir o uso de um protetor bucal. Se o paciente desenvolver hiperplasia gengival grave, ele pode precisar de tratamento cirúrgico para remover o excesso de tecido da gengiva.

 

O dentista avaliará cuidadosamente o paciente epiléptico quanto a quaisquer sinais de hiperplasia gengival ou boca seca e recomendará as seguintes medidas de higiene bucal para ajudá-lo a prevenir a cárie e doença periodontal:

 

  • Usar o fio dental diariamente.
  • Escovar os dentes com frequência durante o dia e na hora de dormir com um creme dental fluoretado.
  • Ter uma alimentação saudável e nutrição adequada.
  • Chupar balas de menta ou pastilhas com xilitol para estimular a produção de saliva e prevenir a cárie.

 

Uma equipe médica composta por um médico e um dentista deve ajudar você ou seu ente querido a tratar a epilepsia. Se você está preocupado com os efeitos da epilepsia na saúde bucal, saiba que o dentista está sempre disponível para ajudá-lo a manter seu sorriso brilhante, seus dentes e gengiva saudáveis.

 

 

Este artigo tem como objetivo informar e difundir o conhecimento sobre tópicos gerais de saúde bucal. Esse conteúdo não deve substituir a orientação, o diagnóstico nem o tratamento profissional. Sempre procure a orientação do seu dentista ou de outro especialista para quaisquer dúvidas que você possa ter com relação à sua condição médica ou ao seu tratamento.