Um garoto com um dentista e seu assistente

Tratamento para a doença periodontal em crianças

Seria muito mais agradável se a doença periodontal fosse tão simples quanto mascar chiclete. Infelizmente, esse não é o caso.
Ainda que mais prevalente em adultos, a doença periodontal também representa um risco tanto para os adolescentes quanto para crianças mais novas.
O tipo de doença periodontal mais comum é a gengivite. A boa notícia é que ela é tratável. E isso, por si só, vale um sorriso.

O que é a doença periodontal infantil?

Antes de abordarmos o diagnóstico e o tratamento, é preciso estabelecer o que é a doença periodontal. Quando bactérias nocivas e restos de comida e açúcar se acumulam em seus dentes e gengivas, elas produzem uma fina película popularmente chamada de placa. E nós não gostamos da placa. Por quê? Porque quando acumulada, ela pode levar a inchaços, inflamações e sangramentos nas gengivas. E se piorar, ela ainda pode soltar os dentes e danificar o tecido mole sob eles. Essa é a forma mais grave de doença periodontal. As crianças têm maior probabilidade de desenvolverem uma versão mais branda dessa doença, a gengivite.

Sintomas

Existem muitos sintomas da doença periodontal que o seu filho pode apresentar Entre eles:

  • Gengivas vermelhas, inchadas e doloridas
  • Sangramento durante a escovação ou no uso do fio dental
  • Gengiva retraída
  • Dentes soltos ou com espaçamento anormal
  • Mau hálito recorrente
  • Pus entre os dentes e gengivas
  • Alteração da mordida e/ou alinhamento da mandíbula

Os primeiros dois sintomas são recorrentes na gengivite. Os restantes podem aparecer no decorrer do desenvolvimento da doença periodontal quando não tratada. Mas nós não vamos deixar isso acontecer.

Causas

Como já afirmamos, a principal causa da doença periodontal em crianças trata-se da placa, acumulada em decorrência de uma higiene bucal não adequada.

Outros fatores podem aumentar o risco de doença periodontal em seus filhos. Essas outras causas incluem:

  • Certos genes
  • Comida remanescente na gengiva
  • A respiração pela boca que resseca as gengivas e os dentes frontais
  • Má alimentação
  • Fumar e fazer uso de produtos com tabaco
  • Doenças autoimunes ou sistêmicas
  • Diabetes
  • Mudanças hormonais no corpo, como a puberdade
  • Cerrar ou ranger os dentes repetidamente e de forma incontrolável
  • Remédios que podem provocar um crescimento em excesso das gengivas

Tratamento e prevenção

Mãe, Pai, isso não é difícil de entender. Estamos falando simplesmente de cuidados bucais. E a melhor forma de tratar e prevenir a doença periodontal é muito simples — uma boa saúde bucal. Isso inclui:

  • Escovar os dentes com uma escova de tamanho apropriado duas vezes ao dia
  • Uso creme dental com fluoreto durante a escovação
  • Uso do fio dental e enxaguante bucal diariamente
  • Comer alimentos mais saudáveis com baixo teor de açúcar e amido
  • Visitar o seu dentista duas vezes por ano para um checkup

Se você já tem uma doença periodontal que evoluiu, é possível, embora improvável, que antibióticos ou até mesmo uma cirurgia sejam necessários. Por essa razão, é ainda mais importante iniciar uma rotina de higiene bucal com seu filho o mais cedo possível, da primeira infância à adolescência. A prática leva à perfeição.

Ainda que o seu filho se não resista a uma barra de chocolate ou refrigerante, ou mesmo se ele deixar de escovar os dentes de vez em quando, seguir uma rotina de higiene bucal é indispensável.

Ela protege contra cáries, doenças periodontais menores ou ainda pior. Comece quando ele ainda for um bebê Faça com que se envolvam mais durante a infância Depois, atribua a responsabilidade a eles enquanto os monitora pela manhã e à noite. Isso vai valer a pena, pois assim vocês evitarão o aparecimento da doença periodontal e a conquista de um sorriso saudável e feliz. Depois de deixarem o chiclete pra lá, é claro.

Este artigo tem como objetivo informar e difundir o conhecimento sobre tópicos gerais de saúde bucal. Esse conteúdo não deve substituir a orientação, o diagnóstico nem o tratamento profissional. Sempre procure a orientação do seu dentista ou de outro especialista para quaisquer dúvidas que você possa ter com relação à sua condição médica ou ao seu tratamento.