Herpes labial: o que é e como tratar

mulher tocando no lábio onde tem uma afta

O herpes labial é causado por um vírus. O termo médico é herpes labial recorrente. O vírus é chamado vírus do herpes simples e apresenta duas variações: o sorotipo 1 e o sorotipo 2. Em geral, o tipo 1 é encontrado na cavidade bucal e o tipo 2, na região genital. Porém, tanto o tipo 1 (HSV-1) quanto o tipo 2 (HSV-2) podem ser encontrados em ambas as regiões. Esse fato gera a seguinte dúvida: o herpes labial é contagioso?

O herpes labial é comum?

A revista Journal of Esthetic and Restorative Dentistry (JERD) compilou alguns dados estatísticos interessantes sobre a prevalência e tendências do HSV-1. Os pesquisadores calcularam que 85% dos americanos são infectados pelo HSV-1. O vírus normalmente é contraído na primeira infância ou na adolescência, porque as crianças não costumam ter bons hábitos de higiene. Há sintomas precursores que acompanham a infecção, que são mal-estar, febre e inchaço de glândulas. Muitas vezes, os sintomas não são reconhecidos como um efeito colateral do vírus. Vesículas e úlceras podem aparecer nos tecidos no interior da boca. O tempo de recuperação é de 10 a 14 dias.

Herpes labial recorrente

Segundo a revista Journal of NeuroVirology, quando alguém se recupera do herpes labial, o vírus não desaparece, mas migra para um nervo e permanece na região oral, no gânglio trigeminal. Sessenta por cento das pessoas infectadas apresentam "recorrências silenciosas", o que significa que não há sintomas aparentes. De acordo com a Mayo Clinic, o herpes labial provoca bolhas cheias de líquido, que podem formar crostas e liberar esse líquido. No entanto, mesmo que não haja bolhas no momento, o HSV-1 ainda é altamente contagioso.

De acordo com a JERD, algumas pessoas, aproximadamente 40%, têm surtos recorrentes do vírus. O sistema imunológico geralmente controla os surtos, mas em momentos de estresse, exposição ao sol e outras doenças, elem podem ocorrer. O surto será seguido por sinais iniciais, que alertam que o vírus foi reativado na região, como prurido e queimação na borda externa de uma área dos lábios. Após esses sinais, surgem as vesículas e a ulceração.

Como tratar o herpes labial?

A melhor forma de controlar a recorrência do herpes labial é a prevenção. Não existe uma cura permanente para o vírus. Durante a exposição prolongada ao sol, proteja os lábios com protetor solar. Aos primeiros sinais, aplique gelo na área com frequência e mantenha os lábios hidratados com manteiga de cacau ou um produto à base de lanolina. Se o surto ocorrer, o próximo passo será paliativo. Um anestésico tópico pode ser aplicado no local para aliviar o desconforto. O dentista pode prescrever um anestésico tópico semelhante ao que ele aplicaria no consultório. Se os surtos não forem frequentes nem danosos, essa é a melhor forma de tratamento.

Existem agentes antivirais tópicos e sistêmicos disponíveis para limitar a duração dos surtos. Os antivirais costumam ser prescritos na forma de creme, mas indivíduos imunocomprometidos podem precisar desses agentes na forma de comprimido. De acordo com um estudo publicado pela revista California Dental Association Journal, os antivirais eficazes são aciclovir, fanciclovir e valaciclovir.

Se você é portador do vírus, consulte o dentista para avaliação e um regime de tratamento. o herpes labial é contagioso? Sim, infelizmente é muito contagioso. Você terá o HSV-1 para sempre, mas não se deixe abater! Mantenha uma boa rotina de higiene bucal e aprenda a tratar os surtos para manter um belo sorriso.

Este artigo tem como objetivo informar e difundir o conhecimento sobre tópicos gerais de saúde bucal. Esse conteúdo não deve substituir a orientação, o diagnóstico nem o tratamento profissional. Sempre procure a orientação do seu dentista ou de outro especialista para quaisquer dúvidas que você possa ter com relação à sua condição médica ou ao seu tratamento.

ARTIGOS RELACIONADOS