Fonte Indefinível De Dor De Dente

166260839

As pessoas podem ser notoriamente ruins para indicar qual dente está doendo porque, para o cérebro, um dente superior que dói parece muito com um dente inferior que dói, segundo um novo estudo.

É mais difícil para o cérebro distinguir entre diferentes áreas de dor na boca do que em qualquer outra parte do corpo, de acordo com um estudo a ser publicado na revista "Pain". Pesquisadores chefiados por Clemens Forster, Ph.D., da Universidade de Erlangen-Nuremberga na Alemanha, analisaram a atividade cerebral em voluntários saudáveis ao experimentarem dor de dente.

Os pesquisadores aplicaram breves pulsos elétricos no canino superior esquerdo (o dente pontudo) ou no canino inferior esquerdo. As aplicações produziram uma sensação similar àquela de quando se morde um cubo de gelo.

O nível das aplicações foi ajustado de forma que os voluntários sempre classificassem a dor como sendo de cerca de 60 por cento, com 100% sendo a pior dor imaginável. Para ver como o cérebro respondia à dor proveniente de diferentes dentes, os pesquisadores usaram fMRI para monitorar as alterações na atividade quando o dente superior ou inferior era estimulado.

"No início, esperamos uma boa diferença, mas não foi esse o caso", diz dr. Forster.

Muitas regiões do cérebro responderam à dor na região superior e inferior – transmitidas por sinais de dois ramos distintos de uma fibra chamada de nervo trigêmeo – da mesma maneira. Regiões separadas na córtex cerebral, que sabidamente desempenham um papel importante no sistema de projeção da dor, comportaram-se de maneira similar para as duas dores de dente.

"Dentistas devem estar conscientes de que os pacientes nem sempre conseguem localizar a dor", diz Forster. "Existem razões fisiológicas e anatômicas para isso".

Forster afirmou que os experimentos podem não ter levado em conta diferenças sutis que poderiam ser responsáveis pelo fato de algumas dores poderem ser localizadas.

© 2018 Associação Dental Americana. Todos os direitos reservados. Probida qualquer reprodução ou redistribuição sem permissão prévia por escrito da Associação Dental Americana.

ARTIGOS RELACIONADOS 

Doenças comuns durante a FASE ADULTA

Conforme ficamos mais velho, os cuidados dentais para os adultos são mais cruciais. A seguir, encontram-se algumas doenças para se estar atento:

Gengivite – Se suas rotinas caseiras de cuidados de escovação e utilização do fio dental tiveram um deslize e você não fez limpezas dentais regulares, a placa bacteriana e o tártaro podem se acumular em seus dentes. A placa e o tártaro, se não forem tratados, podem, eventualmente, causar danos irreparáveis à mandíbula e a estruturas de suporte, e podem causar perda dos dentes.

Câncer bucal – De acordo com o National Institute of Dental and Craniofacial Research, homens na idade de 40 anos possuem o maior risco de câncer bucal. Aproximadamente 43.000 pessoas serão diagnosticadas com câncer na boca, língua, área da garganta, e a ACS estima que cerca de 7.000 pessoas morrerão devido a esses cânceres. A utilização de produtos de tabaco e álcool aumenta o risco de câncer bucal. A maioria dos cânceres bucais é diagnosticada pelo dentista durante o exame geral de rotina 1

Quebra de preenchimentos dentais – Os preenchimentos possuem expectativa de oito a dez anos. Entretanto, eles podem durar 20 anos ou mais. Quando o preenchimento em sua boca começa a quebrar, alimentos e bactérias podem entrar embaixo e podem causar cárie profunda no dente.

Mantenha seus dentes limpos com uma rotina de saúde bucal.

Estabelecer uma rotina de saúde bucal é importante para uma boca saudável. Experimente um de nossos produtos de saúde bucal.