O que é a angina de Ludwig?

Jovem com dor e inchaço no pescoço

É provável que você já tenha ouvido várias vezes que manter uma boa higiene bucal é fundamental para a saúde geral. Isso é a mais pura verdade ― a cárie dentária não tratada pode causar complicações sérias. De acordo com o StatPearls, a angina de Ludwig é uma infecção bacteriana rara, porém grave e de rápida evolução, que afeta o assoalho da boca e o pescoço. É uma doença que pode ser fatal e que deve ser tratada por um médico o mais rápido possível. Felizmente, com consultas odontológicas de rotina, o dentista consegue identificar e tratar a cárie logo no início, antes que ela piore.

 

Causas

 

O StatPearls explica que, em 9 de 10 casos, a fonte dessa grave infecção são os molares inferiores. Quando um dente da arcada inferior tem uma cárie dentária ou lesão, as bactérias podem infectar seu interior e formar um abscesso. Se não for tratada, a infecção pode se espalhar do dente para as áreas adjacentes. As bactérias não gostam de ficar confinadas e, com o tempo, começam a procurar por uma saída, resultando na invasão das áreas mais próximas no assoalho da boca. A angina de Ludwig ocorre quando os tecidos moles no assoalho da boca e pescoço ficam gravemente infectados.

Pessoas com diabetes, cárie ou com o sistema imunológico debilitado correm maior risco de desenvolver essa grave doença, observa o StatPearls.

 

Sintomas e diagnóstico

 

À medida que a infecção evolui, os tecidos infectados incham e o pescoço pode parecer aumentado. O paciente pode sentir dor, inflamação na garganta, dificuldade para engolir, febre e calafrios, além do inchaço intenso, relata o StatPearls.

 

Segundo a Mayo Clinic, o sintoma mais preocupante dessa infecção é a obstrução das vias respiratórias do paciente. Se o inchaço se estender para a parte de trás da garganta, as vias respiratórias podem começar a fechar, dificultando ou impossibilitando a respiração. Infelizmente, se as vias respiratórias ficarem obstruídas, as chances de uma fatalidade aumentam. Antigamente, antes do uso de antibióticos, a taxa de mortalidade da angina de Ludwig ultrapassava 50%.

 

Para diagnosticar a infecção, o médico avaliará o aspecto do inchaço e poderá fazer uma tomografia computadorizada ou exames de sangue para avaliar a gravidade da doença, de acordo com o StatPearls. O tratamento será iniciado imediatamente e serão tomadas medidas para garantir que o paciente consiga respirar.

 

Opções de tratamento

 

O médico provavelmente administrará antibióticos por via intravenosa para curar a infecção, informa o StatPearls. Talvez também seja necessário extrair o dente infectado. Se a infecção resultar em acúmulo de líquido no tecido, pode ser necessário ainda que o médico faça uma drenagem por meio de uma incisão.

 

Quanto mais cedo a infecção for tratada, maior será a probabilidade de sobrevivência. De acordo com StatPearls, o tratamento com antibióticos reduziu a taxa de mortalidade dessa infecção para apenas 8%.

 

Prevenção de infecções dentárias

 

A melhor defesa contra uma infecção grave na boca, como a angina de Ludwig, é manter as melhores práticas de higiene bucal em casa. É preciso ter uma boa nutrição e ir ao dentista a cada seis meses. Escovar os dentes e usar o fio dental todos os dias não só deixará seu hálito fresco e seu sorriso brilhante, mas também diminuirá a probabilidade de uma infecção dentária dolorosa ou urgente.

 

Consulte o dentista se você tiver algum dos sintomas acima, principalmente se sentir dificuldade para respirar ou febre. A detecção e o tratamento precoces podem salvar sua vida.

Este artigo tem como objetivo informar e difundir o conhecimento sobre tópicos gerais de saúde bucal. Esse conteúdo não deve substituir a orientação, o diagnóstico nem o tratamento profissional. Sempre procure a orientação do seu dentista ou de outro especialista para quaisquer dúvidas que você possa ter com relação à sua condição médica ou ao seu tratamento.

ARTIGOS RELACIONADOS

Por que o tabaco é uma AMEAÇA À SAÚDE ORAL?

A maior ameaça do trabalho a saúde pode ser sua associação ao câncer bucal. A American Cancer Society relata que:

  • Aproximadamente 90 por cento das pessoas com câncer bucal e na garganta utilizaram tabaco. O risco de desenvolvimento de câncer aumenta conforme as pessoas fumam ou mascam com maior frequência ou por maior tempo.

  • Fumantes possuem seis vezes mais probabilidade do que não fumantes de desenvolverem cânceres.

  • Aproximadamente 37 por cento dos pacientes que continuam a fumar após tratamento de câncer desenvolverão outros cânceres na boca, garganta ou laringe. Somente 6 por cento das pessoas que desistem de fumar irão desenvolver cânceres secundários.

  • Fumantes de tabaco foram associados a cânceres nas bochechas, gengiva e superfície interior dos lábios. O tabaco sem fumaça aumenta o risco de câncer cerca de 50 vezes.