Faringite estreptocócica e amígdalas: qual a relação?

Mother and Daughter Laying Down

Pode começar como uma dor de garganta aparentemente simples, mas a faringite estreptocócica pode se transformar em uma infecção dolorosa. Veja as causas e sintomas da faringite estreptocócica e qual a sua relação com as amígdalas.

 

Causas da faringite estreptocócica

De acordo com o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), a maioria das dores de garganta são causadas por vírus, sendo 20 a 30 por cento causadas por bactérias. Dores de garganta causadas por bactérias são casos de faringite estreptocócica. A bactéria específica responsável pela faringite estreptocócica é a Streptococcus pyogenes (ou estreptococo do grupo A), e o CDC observa que esse grupo também causa muitas outras infecções, incluindo a febre reumática e a febre escarlatina.

As infecções estreptocócicas do grupo A são altamente contagiosas e se espalham facilmente. Elas também são mais comuns em crianças e têm uma prevalência maior no inverno e no início da primavera, de acordo com a Mayo Clinic. Da mesma forma, os pais de uma criança pequena também são mais suscetíveis. O CDC informa que as formas mais comuns de transmissão incluem:

  • Respirar gotículas de saliva de uma pessoa infectada

  • Tocar um objeto com gotículas de saliva e, em seguida, tocar sua boca ou nariz

  • Entrar em contato com feridas de pele causadas por estreptococo do grupo A

  • Compartilhar alimentos ou bebidas uma pessoa infectada

Felizmente, segundo informações do CDC, a infecção estreptocócica tem menor probabilidade de se espalhar por meio de utensílios domésticos e brinquedos.

Sintomas

Embora suas amígdalas não sejam a fonte da faringite estreptocócica, elas podem ser significativamente afetadas por ela. Quando as bactérias estreptocócicas do grupo A entram em sua cavidade oral, elas podem causar dor de garganta, entre outros sintomas associados. Segundo a Mayo Clinic, eles podem incluir:

  • Inchaço ou placas brancas nas amígdalas
  • Febre
  • Dor ao engolir
  • Náusea
  • Febre
  • Dor no corpo e dor de cabeça
  • Inflamação dos gânglios linfáticos

Cabe ressaltar que você pode carregar bactérias estreptocócicas do grupo A e não apresentar sintomas de faringite estreptocócica. Infelizmente, se uma infecção estreptocócica não for tratada ou detectada, as crianças podem desenvolver outras condições, como febre reumática, de acordo com o CDC.

Faringite estreptocócica e amigdalite

A diferença entre faringite estreptocócica e amígdalas com amigdalite pode causar confusão. Amigdalite simplesmente se refere à inflamação das amígdalas e, embora seja normalmente causada por um vírus, também pode ser causada por estreptococos. Essa inflamação resulta em amígdalas vermelhas e inchadas e dor de garganta, como indica a Mayo Clinic.

Como os sintomas da faringite estreptocócica e da amigdalite se sobrepõem, pode ser difícil determinar qual é a causa da dor de garganta. Portanto, é importante obter um diagnóstico adequado de um médico para deduzir se você ou o sofrimento de seu filho é o resultado de um infecção viral ou bacteriana — e nesse caso, seu médico poderá tratá-lo adequadamente e ajudá-lo a controlar qualquer dor.

A Mayo Clinic afirma que seu médico pode determinar se a sua infecção ou de seu filho é resultado de uma bactéria ou de um vírus com um swab (esfregaço) indolor da garganta ou com uma amostra de sangue. O swab da garganta revelará se a bactéria estreptocócica está presente, e a avaliação de seu hemograma poderá ajudar o médico a identificar se a causa é bacteriana ou viral. Enquanto algumas clínicas oferecem um resultado rápido, chamado de "teste estreptocócico rápido", em outros casos, os resultados podem levar de 24 a 48 horas.

Se o médico determinar que sua dor de garganta é causada por estreptococo, os tratamentos com antibióticos podem curar a infecção rapidamente. Infelizmente, os antibióticos não matam os vírus, então, se a causa for um vírus, a única opção é deixá-lo seguir seu curso, o que pode levar até 10 dias.

Você pode ter faringite estreptocócica após a extração das amígdalas?

Se você já teve vários episódios de faringite estreptocócica, você pode estar se perguntando se a extração das amígdalas pode ajudar. A Mayo Clinic informa que você ainda pode ter faringite estreptocócica e dores de garganta, mesmo sem as amígdalas. Em alguns casos, no entanto, a remoção das amígdalas pode reduzir a frequência ou a gravidade das recidivas de estreptococo, especialmente se uma criança tiver faringite estreptocócica sete ou mais vezes durante um ano. Em última análise, a extração das amígdalas é uma escolha pessoal, mas se as amígdalas estiverem causando obstrução das vias aéreas, seu médico pode recomendá-la.

Converse com o seu médico se você estiver preocupado com infecções de garganta e amígdalas. Ele irá ajudá-lo a fazer a escolha certa para você ou para o seu filho.

Este artigo tem como objetivo informar e difundir o conhecimento sobre tópicos gerais de saúde bucal. Esse conteúdo não deve substituir a orientação, o diagnóstico nem o tratamento profissional. Sempre procure a orientação do seu dentista ou de outro especialista para quaisquer dúvidas que você possa ter com relação à sua condição médica ou ao seu tratamento.

ARTIGOS RELACIONADOS

Por que o tabaco é uma AMEAÇA À SAÚDE ORAL?

A maior ameaça do trabalho a saúde pode ser sua associação ao câncer bucal. A American Cancer Society relata que:

  • Aproximadamente 90 por cento das pessoas com câncer bucal e na garganta utilizaram tabaco. O risco de desenvolvimento de câncer aumenta conforme as pessoas fumam ou mascam com maior frequência ou por maior tempo.

  • Fumantes possuem seis vezes mais probabilidade do que não fumantes de desenvolverem cânceres.

  • Aproximadamente 37 por cento dos pacientes que continuam a fumar após tratamento de câncer desenvolverão outros cânceres na boca, garganta ou laringe. Somente 6 por cento das pessoas que desistem de fumar irão desenvolver cânceres secundários.

  • Fumantes de tabaco foram associados a cânceres nas bochechas, gengiva e superfície interior dos lábios. O tabaco sem fumaça aumenta o risco de câncer cerca de 50 vezes.