Colaboração Dentista-Médico É Necessária Para O Tratamento Da Osteoporose

Na reportagem de capa da edição de maio do Journal of the American Dental Association, pesquisadores afirmam que médicos e dentistas devem colaborar para melhorar a detecção e o tratamento precoces de pacientes que tenham ou possam desenvolver osteoporose.

Os autores do artigo “Osteoporose e Suas Implicações em Pacientes Odontológicos” revisaram a literatura médica e odontológica para examinar o efeito da osteoporose na saúde pública nos Estados Unidos. Avaliaram também as implicações da prestação de assistência odontológica a pessoas que têm osteoporose ou que apresentam risco de desenvolvê-la.

De acordo com os autores, a literatura indicou que a osteoporose e as fraturas a ela relacionadas são mais comuns do que a doença coronariana, o derrame e o câncer de mama. Fraturas resultantes de osteoporose podem afetar a qualidade de vida do paciente e também resultar em diminuição da capacidade funcional e aumento do custo da assistência à saúde e da mortalidade.

A busca na literatura também revelou que o tratamento médico da osteoporose inclui controle da dieta, exercícios para sustentação de peso, interrupção do uso de tabaco e ingestão de álcool e uso de medicações – incluindo moduladores seletivos dos receptores de estrógeno, calcitonina, agentes anabólicos e bifosfonatos – que foram associados ao desenvolvimento de osteonecrose na mandíbula.

Os autores determinaram que a manutenção da saúde bucal é importante em pacientes com osteoporose, e que mudanças para terapia com bifosfonato ou outro tratamento médico devem ser feitas apenas após consulta com o médico do paciente. “Os dentistas precisam ter conhecimentos sobre a osteoporose, seus tratamentos e suas complicações, para prestar a assistência adequada”, escrevem os autores.

Os autores concluem que todos os profissionais da saúde envolvidos no tratamento de pacientes odontológicos, particularmente pacientes que tomam bifosfonatos, devem discutir as decisões sobre o tratamento com o médico do paciente.

© 2018 Associação Dental Americana. Todos os direitos reservados. Probida qualquer reprodução ou redistribuição sem permissão prévia por escrito da Associação Dental Americana.

Este artigo tem como objetivo informar e difundir o conhecimento sobre tópicos gerais de saúde bucal. Esse conteúdo não deve substituir a orientação, o diagnóstico nem o tratamento profissional. Sempre procure a orientação do seu dentista ou de outro especialista para quaisquer dúvidas que você possa ter com relação à sua condição médica ou ao seu tratamento.

ARTIGOS RELACIONADOS 

Doenças comuns para ADULTOS COM MAIS DE 55 ANOS

  • Gengivite
    Essa condição potencialmente séria ocorre quando os tecidos da gengiva próximos aos dentes se tornam infectados devido à construção de placa nos dentes e gengiva. A gengivite é a primeira etapa da doença periodontal e é reconhecida por gengivas inchada, vermelha ou sangrando. A doença periodontal é uma preocupação para adultos mais velhos por diversas razões, incluindo a construção de placa nos dentes e gengiva pelo não desenvolvimento de hábitos de cuidados de saúde bucal adequados previamente.

  • Cárie nos dentes ou na raiz
    Mesmo com mais de 55 anos, adultos ainda podem desenvolver cárie nos dentes ou nas raízes se a recessão da gengiva ocorrer. É importante para adultos mais velhos limpar de forma eficiente a gengiva, os dentes e as superfícies expostas de raízes para remoção de placa dental e restos de alimentos.

  • Dentes sensíveis
    Em determinado momento, todos nós já tomamos um bom e frio copo de água, somente para fazer uma careta mediante a sensação precisa de formigamento em nossos dentes. Diversos fatores causam a sensibilidade dentária, incluindo escovar muito agressivamente com uma escova de cerdas duras, desgaste do esmalte do dente ou dentes trincados ou fraturados.

Ajude sua boca a envelhecer com elegância

Cuidar de sua boca ainda é essencial. Experimente um de nossos produtos para ajudar a manter os sorrisos saudáveis em qualquer idade.