Candidíase oral em bebês: causas, sintomas e tratamento

A boca de todas as pessoas abriga milhares de organismos, alguns deles bons e outros ruins. Para a maioria dos indivíduos, um sistema imunológico saudável mantém os microorganismos prejudiciais à distância. No entanto, um fungo que pode facilmente tomar conta da cavidade bucal é a Candida albicans, mais conhecida como sapinho, explica a Mayo Clinic. Esse crescimento excessivo de fungos na boca de um bebê é uma condição comum que as mães e seus recém-nascidos enfrentam às vezes.

Causas da candidíase oral em bebês

Os bebês podem desenvolver candidíase oral por diversas razões, mas principalmente porque seu sistema imunológico não está totalmente desenvolvido e não pode combater certos organismos.

As mães que tiveram uma infecção vaginal fúngica durante a gravidez ou no parto podem transmitir a infecção para o bebê na forma de candidíase oral. Além disso, a candidíase se desenvolve na levedura encontrada no leite materno, infectando os mamilos e os ductos lactíferos da mãe, podendo resultar em candidíase oral no bebê.

Quando antibióticos são prescritos a um bebê doente, a medicação pode afetar o equilíbrio dos microrganismos bons e ruins, proporcionando condições ideais para o desenvolvimento da candidíase oral. A candidíase pode ser passada para a mãe durante a amamentação. A infecção cruzada pode ocorrer se a mãe tiver tomado antibióticos durante a gravidez ou na época do parto. O uso de corticosteróides ou contraceptivos orais também pode criar um cenário propício para a candidíase.

O uso de chupetas pode aumentar o risco de candidíase oral em bebês, assim como a ingestão desproporcional de doces e produtos lácteos pela mãe que está amamentando. Lactantes anêmicas ou diabéticas correm maior risco de contrair uma infecção fúngica que pode resultar em candidíase oral para o bebê.

 

Sinais de candidíase oral

Lesões brancas de aspecto cremoso no interior da boca do bebê e problemas para sugar ou mamar, juntamente com irritabilidade e agitação, são sinais de candidíase oral no lactente. Alguns bebês não conseguem mamar, porque a boca escorrega da mama, ou fazem um barulho como um estalo quando tentam sugá-la. Uma assadura que não desaparece com as pomadas comumente recomendadas também pode ser um sintoma de candidíase, assim como o gás devido ao excesso de levedura no trato gastrointestinal do bebê, afirma o site Mother & Child Health.

Uma mãe infectada com candidíase pode repentinamente notar dor, rachadura, coceira ou ardência nos mamilos, de acordo com a organização La Leche League International. Dores cortantes intensas nas mamas também são um sintoma.

 

Tratamento para a candidíase oral

Como a candidíase pode ser passada facilmente da mãe que amamenta para o bebê, e vice-versa, qualquer sinal de candidíase na boca do bebê ou nos seios da mãe deve ser examinado e tratado por um médico imediatamente. Os dois devem ser tratados ao mesmo tempo para prevenir qualquer reinfecção, como afirma o site Mother & Child Health. Geralmente, o tratamento continua por uma a duas semanas depois que todos os sintomas desaparecem, e a amamentação não precisa ser interrompida, já que a maioria dos tratamentos é compatível com ela.

Se houver envolvimento dos ductos lactíferos da mãe, uma medicação oral será necessária para atingir essas áreas. Outras soluções disponíveis podem ser recomendadas pelo médico.

 

Prevenindo a reinfecção

Além de tratar a mãe e o bebê ao mesmo tempo, os seguintes protocolos de higiene podem reduzir as chances de uma infecção por candidíase recorrente:

  • Ferver chupetas e brinquedos que o bebê coloca na boca durante 20 minutos todos os dias.
  • Substituir chupetas e mamadeiras depois de uma semana.
  • Ferver as peças do extrator de leite que entram em contato com o leite materno durante 20 minutos todos os dias durante o tratamento e jogar fora os absorventes para seios úmidos.
  • Para eliminar o fungo das roupas, lave com água sanitária ou uma xícara de vinagre.
  • Lave as mãos com frequência, principalmente após as trocas de fralda, mas não com sabonete antibacteriano, que pode matar as bactérias boas.
  • Seque as mãos com papel toalha e descarte-o após cada uso.
  • Evite lenços umedecidos se o bebê tiver assaduras. Em vez disso, use um pano com água e aplique uma solução de vinagre.
  • Deixe o bebê sem fralda sempre que possível. Fraldas de pano são preferíveis às descartáveis.

Embora a candidíase oral em bebês seja comum, pode causar algum desconforto. Mas se você seguir um regime rigoroso de higiene e entrar em contato com o médico ao primeiro indício de candidíase, a amamentação ainda pode ser uma experiência de união agradável para a mãe e o bebê.

Este artigo tem como objetivo informar e difundir o conhecimento sobre tópicos gerais de saúde bucal. Esse conteúdo não deve substituir a orientação, o diagnóstico nem o tratamento profissional. Sempre procure a orientação do seu dentista ou de outro especialista para quaisquer dúvidas que você possa ter com relação à sua condição médica ou ao seu tratamento.

ARTIGOS RELACIONADOS 

Principais dicas de bons cuidados bucais durante a INFÂNCIA

Veja algumas formas fáceis de cuidar dos dentes e gengiva do seu bebê:

  • Antes da erupção dos dentes, limpe a gengiva de seu bebê esfregando um pano limpo e úmido sobre as gengivas superiores e inferiores do bebê.

  • Quando seu bebê tiver dentes, inicie escovando seus dentes no mínimo duas ou três vezes por dia com uma escova de cerdas macias e água.