Chupar o dedo: é bom, é ruim ou é normal?

menino chupando o dedo

Como pais, temos uma infinidade de preocupações relacionadas aos nossos filhos. Queremos que eles cresçam saudáveis sem adquirir hábitos que comprometam o desenvolvimento adequado. O hábito de chupar o dedo é uma das coisas com as quais nos preocupamos à medida que os bebês crescem e começam a andar. Os pais se perguntam se o hábito vai continuar ou se precisam procurar ajuda para acabar com ele. Não se preocupe: geralmente, tudo o que você precisa é bom senso ou a orientação do pediatra ou dentista. A boa notícia é que esse hábito costuma ser abandonado bem antes de seu filho entrar na pré-escola.

Comportamento normal

É perfeitamente aceitável que os bebês chupem o dedo ou a chupeta. De acordo com a Associação Americana de Odontologia (ADA), a sucção é um reflexo natural para um bebê, que pode ser observado com frequência no útero durante o desenvolvimento. Esse reflexo dá conforto ao bebê e, conforme ele cresce, pode ajudá-lo a se sentir seguro e feliz. Também pode ser calmante, e muitos bebês e crianças pequenas fazem dele um mecanismo de enfrentamento quando estão ansiosos ou longe dos pais. O hábito ajuda a induzir o sono, e as crianças podem chupar o dedo à noite antes de dormir.

Por quanto tempo é aceitável?

Todos nós já vimos uma criança mais velha chupando o dedo e achamos isso inadequado. Mas qual é o melhor momento para interromper ou desestimular esse hábito? De acordo com a ADA, o melhor momento para isso é aos 4 anos de idade. Nessa fase, a sucção prolongada pode começar a afetar a boca da criança e o desenvolvimento da mandíbula, da maxila e dos dentes, possivelmente causando o desalinhamento dos dentes permanentes. Se seu filho chupa o dedo de forma menos intensa, pode ser mais fácil desestimular esse hábito; mas se ele suga com força, podem ocorrer alterações no formato do céu da boca, que afetam a dentição permanente e geralmente são mais difíceis de corrigir sem intervenção.

Dicas para fazer a criança parar de chupar o dedo

Normalmente, esse hábito cessará sem qualquer preocupação ou esforço dos pais. Muitas vezes, a melhor estratégia é simplesmente ignorá-lo. As crianças vão descobrir por si próprias quando esse comportamento não for mais aceitável, a partir de situações sociais e da pressão dos colegas. Mas se o hábito persistir depois que a criança deixar o jardim de infância, pode ser o momento de intervir.

  • Ofereça uma chupeta (preferencialmente ortodôntica) ao bebê; chupetas são mais fáceis de tirar.
  • Crie um gráfico e um sistema de recompensa para acompanhar o progresso do seu filho ao abandonar esse hábito.
  • Incentive e elogie o seu filho quando ele tentar parar.
  • Consulte um odontopediatra para aprender sobre os efeitos positivos da interrupção desse hábito.

Algumas crianças podem ter dificuldade para deixar de chupar o dedo. Se isso acontecer, pode ser necessário comprar produtos que possam ser colocados no polegar ou nos dedos para desestimular o hábito. Muitas vezes, basta colocar uma atadura no dedo ou uma meia ou luva na mão preferida. Qualquer que seja o método escolhido, lembre-se de usar sempre reforços positivos para incentivar seu filho. Críticas ou broncas podem causar mais ansiedade e ajudar a perpetuar o problema.

Efeitos na boca

Se o comportamento persistir após os 5 ou 6 anos de idade, a pressão e o movimento de sucção começarão a provocar alterações na boca e nos dentes. De acordo com a ADA, os dentes da frente podem se projetar e a mordida da criança ficará aberta, impedindo que os dentes superiores e inferiores se toquem. As alterações ósseas começarão a afetar o alinhamento dos dentes permanentes. O dentista do seu filho pode avaliar essas alterações e dar um encaminhamento para o ortodontista ou odontopediatra para uma consulta. De acordo com o Langone Medical Center da Universidade de Nova York, em casos muito raros, um aparelho dentário ou anteparo lingual pode precisar ser colocado no céu da boca para impedir esse comportamento. Quanto mais cedo o hábito for interrompido, maior será a chance de corrigir a mordida.

Ao longo da minha experiência profissional, apenas um dos meus pacientes continuou a chupar o dedo na adolescência e exigiu intervenção. O hábito é saudável em bebês, crianças pequenas e até pré-escolares e serve como um mecanismo de enfrentamento e conforto que faz parte do desenvolvimento normal.

Donna Rounsaville, RDH, BS, é higienista dental em um consultório particular há 31 anos. Tem usado sua experiência com a prevenção de problemas dentários e a importância de uma alimentação saudável para educar as crianças nas escolas locais de sua cidade natal, Flemington, em Nova Jersey. Também é apaixonada pelo tema "controle de infecções e segurança no consultório" para profissionais da odontologia, oferecendo um treinamento anual para seus colegas de consultório. Como líder de um grupo de escoteiras e participante da liturgia infantil na igreja que frequenta, Donna usa suas habilidades de comunicação e liderança para motivar os jovens em sua comunidade. Escreve artigos para a Colgate desde 2013.

Este artigo tem como objetivo informar e difundir o conhecimento sobre tópicos gerais de saúde bucal. Esse conteúdo não deve substituir a orientação, o diagnóstico nem o tratamento profissional. Sempre procure a orientação do seu dentista ou de outro especialista para quaisquer dúvidas que você possa ter com relação à sua condição médica ou ao seu tratamento.

ARTIGOS RELACIONADOS