Anquilose dentária: Um distúrbio raro nos dentes de leite

Menina no consultório de dentistas pediátricos em seu check-up regular

Você já ouviu falar de um problema dentário que faz com que um dente de leite afunde no osso alveolar em vez de amolecer e cair, como deveria? Essa condição rara é chamada anquilose dentária e pode levar a outros problemas, se não for tratada. Aprenda a reconhecer esse problema logo no início, quando é mais fácil tratá-lo.

 

Como reconhecer a anquilose dentária

 

Como explica o National Institutes of Health (NIH), essa condição ocorre quando um dente se funde com o osso alveolar e lentamente começa a se afundar no tecido gengival circundante. Normalmente, pequenas fibras chamadas ligamento periodontal mantêm o dente no alvéolo, mas com a anquilose, esse elemento de ligação está ausente e o dente fica ligado diretamente ao osso. Embora essa condição possa afetar os dentes molares de leite e permanentes, é mais comum notá-la quando as crianças não perdem um dente de leite no momento apropriado.

De acordo com a revista Journal of Dental and Medical Sciences da Organização Internacional de Pesquisa Científica (IOSR-JDMS), as estimativas para a prevalência de anquilose variam de 1,3% a 14,3%. Esse distúrbio tem uma incidência mais alta entre irmãos e é um pouco mais comum em mulheres. A anquilose afeta os dentes de leite 10 vezes mais frequentemente do que os dentes permanentes. Os molares decíduos da arcada inferior são os dentes mais afetados pela anquilose. Uma pessoa pode ter apenas um dente anquilosado ou pode ter vários.

 

Problemas causados pela anquilose dentária

 

O problema imediato causado na maioria dos casos de anquilose dentária é que o dente de leite fixo impede o nascimento do dente permanente. Com o tempo, de acordo com o NIH, essa condição causa outros problemas de saúde bucal, como dificuldade para mastigar se os dentes posteriores não se tocarem. Também pode causar a perda de dentes vizinhos por cárie e doença periodontal.

Com o tempo, podem ocorrer alterações permanentes na estrutura facial, como protusão da mandíbula e redução na altura da parte inferior da face. A revista IOSR-JDMS explica que podem surgir outros problemas. Os dentes vizinhos podem começar a se inclinar enquanto o dente anquilosado se afunda. Os dentes da arcada dentária oposta podem crescer mais do que deveriam e se sobressair aos demais.

 

Diagnóstico e tratamento da anquilose dentária

 

Se você suspeitar que você ou seu filho tem um dente anquilosado, é importante procurar um dentista. Muitas vezes as pessoas não sabem que têm essa condição e só descobrem ao fazer um exame odontológico de rotina. O dente problemático pode ser identificado através de um exame visual, e os resultados geralmente são confirmados por uma radiografia dos dentes.

Conforme explicado pelo site Dentistry IQ, o tratamento geralmente consiste na extração do dente anquilosado para que o dente permanente possa nascer adequadamente. Pode ser colocado um mantenedor de espaço para manter o espaço até que o dente permanente comece a nascer. Outras opções incluem a colocação de um material restaurador para elevar a altura do dente.

 

Quando procurar um especialista

 

Quando a condição progride, pode ser necessário o envolvimento de outros especialistas em saúde bucal. Um ortodontista pode corrigir problemas ósseos e de mordida. Às vezes, é necessária uma cirurgia bucal para expor e reposicionar o dente permanente. Também pode ser necessário um implante, caso não haja um dente permanente abaixo do dente de leite ou se o dente anquilosado for um dente permanente.

A detecção precoce é sempre uma ótima ferramenta para diminuir a probabilidade de problemas futuros. A realização regular de exames e limpezas dentárias mantém os dentes mais saudáveis. Como a anquilose dentária pode às vezes ser causada por um trauma, evitar lesões dentárias é outro método de prevenção. Proteger os dentes com protetores bucais durante qualquer tipo de atividade esportiva é uma maneira fácil e eficaz de tornar a prática de esportes divertida e segura.

Este artigo tem como objetivo informar e difundir o conhecimento sobre tópicos gerais de saúde bucal. Esse conteúdo não deve substituir a orientação, o diagnóstico nem o tratamento profissional. Sempre procure a orientação do seu dentista ou de outro especialista para quaisquer dúvidas que você possa ter com relação à sua condição médica ou ao seu tratamento.

ARTIGOS RELACIONADOS

Por que o tabaco é uma AMEAÇA À SAÚDE ORAL?

A maior ameaça do trabalho a saúde pode ser sua associação ao câncer bucal. A American Cancer Society relata que:

  • Aproximadamente 90 por cento das pessoas com câncer bucal e na garganta utilizaram tabaco. O risco de desenvolvimento de câncer aumenta conforme as pessoas fumam ou mascam com maior frequência ou por maior tempo.

  • Fumantes possuem seis vezes mais probabilidade do que não fumantes de desenvolverem cânceres.

  • Aproximadamente 37 por cento dos pacientes que continuam a fumar após tratamento de câncer desenvolverão outros cânceres na boca, garganta ou laringe. Somente 6 por cento das pessoas que desistem de fumar irão desenvolver cânceres secundários.

  • Fumantes de tabaco foram associados a cânceres nas bochechas, gengiva e superfície interior dos lábios. O tabaco sem fumaça aumenta o risco de câncer cerca de 50 vezes.