Novidades Para O Consumidor – Obesidade, Aptidão Física E Doença Periodontal

Um corpo fisicamente em forma pode levar a uma boca saudável?

Você provavelmente irá querer acrescentar exercícios regulares e a manutenção de um peso saudável à sua rotina de cuidados com a saúde bucal, que já envolve escovação, uso do fio dental e visitas ao dentista. De acordo com um estudo feito por pesquisadores japoneses, pessoas com peso corporal saudável e níveis altos de aptidão física apresentaram incidência mais baixa de periodontite severa (doença gengival).

Cientistas avaliaram 1.160 participantes com idades entre 20 e 77 anos. O índice de massa corporal dos pacientes e a porcentagem de gordura corporal foram usados como indicadores de obesidade e o seu consumo máximo de oxigênio durante o exercício serviu como um indicador da aptidão física. Os pesquisadores verificaram que pacientes com peso corporal saudável e níveis mais altos de aptidão física apresentavam índices significativamente mais baixos de doença gengival.

A doença periodontal é uma infecção dos tecidos que sustentam os dentes e é uma causa importante de perda dental em adultos. No estágio inicial da doença periodontal, chamada de gengivite, a gengiva se torna vermelha, inchada e sangra com facilidade. Nesse estágio, a doença ainda é reversível e pode, geralmente, ser eliminada com a escovação diária e o uso do fio dental.

Nos estágios mais avançados, chamados de periodontite, a gengiva e o osso que sustentam os dentes podem sofrer séria danificação. Os dentes podem ficar com mobilidade, cair ou precisar ser removidos pelo dentista.

Sinais de alerta da doença periodontal incluem gengiva que sangra quando você escova os dentes; gengiva inchadas ou sensível; gengiva que se descolara dos dentes; mau hálito que não desaparece; pus entre os dentes e a gengiva; dentes com mobilidade; alteração na maneira como seus dentes se encaixam ao morder; ou alteração no encaixe de próteses dentárias.

"Esse estudo mostra que os sujeitos que eram magros e tinham altos níveis de aptidão física apresentavam menor risco de periodontite severa", concluíram os cientistas no estudo publicado no Journal of Periodontology. "Exercícios regulares são eficazes para melhorar a aptidão física e manter uma figura esguia, e sabemos agora que o exercício é também um elemento importante para prevenir doenças provocadas pelo estilo de vida.”

Embora a maior parte das doenças periodontais seja afetada por hábitos de estilo de vida como má higiene bucal, tabagismo ou ingestão de álcool, acrescentam os autores, está comprovado que o exercício pode ter efeitos benéficos sobre a doença periodontal e o investimento em mais estudos sobre essa relação é necessário.

© 2018 Associação Dental Americana. Todos os direitos reservados. Probida qualquer reprodução ou redistribuição sem permissão prévia por escrito da Associação Dental Americana.

Este artigo tem como objetivo informar e difundir o conhecimento sobre tópicos gerais de saúde bucal. Esse conteúdo não deve substituir a orientação, o diagnóstico nem o tratamento profissional. Sempre procure a orientação do seu dentista ou de outro especialista para quaisquer dúvidas que você possa ter com relação à sua condição médica ou ao seu tratamento.

ARTIGOS RELACIONADOS 

Por que o tabaco é uma AMEAÇA À SAÚDE ORAL?

A maior ameaça do trabalho a saúde pode ser sua associação ao câncer bucal. A American Cancer Society relata que:

  • Aproximadamente 90 por cento das pessoas com câncer bucal e na garganta utilizaram tabaco. O risco de desenvolvimento de câncer aumenta conforme as pessoas fumam ou mascam com maior frequência ou por maior tempo.

  • Fumantes possuem seis vezes mais probabilidade do que não fumantes de desenvolverem cânceres.

  • Aproximadamente 37 por cento dos pacientes que continuam a fumar após tratamento de câncer desenvolverão outros cânceres na boca, garganta ou laringe. Somente 6 por cento das pessoas que desistem de fumar irão desenvolver cânceres secundários.

  • Fumantes de tabaco foram associados a cânceres nas bochechas, gengiva e superfície interior dos lábios. O tabaco sem fumaça aumenta o risco de câncer cerca de 50 vezes.