Leucoplasia

mulheres sorrindo e interagindo com sua tablet

O que é leucoplasia?

Leucoplasia é uma condição na qual manchas ou lesões espessas e brancas aparecem dentro na boca - geralmente na gengiva ou nas bochechas - e é causada pelo crescimento celular excessivo. As lesões podem variar na aparência, mas geralmente são brancas ou cinza e têm bordas grossas e elevadas e superfície dura. Geralmente aparecem na boca de fumantes ou usuários de tabaco mascável ou inalável, mas também podem ser um sintoma de dentaduras mal ajustadas ou um sinal de alguém que costuma morder a parte interna da bochecha.

 

Sinais e sintomas da leucoplasia

Embora normalmente não seja perigosa (a maioria das manchas é considerada benigna), uma pequena porcentagem dos casos de leucoplasia apresenta sinais precoces de câncer de boca próximos das lesões. Se você notar um surgimento repentino dessas lesões na boca, entre em contato imediatamente com o dentista para orientação e tratamento.

Outros sintomas incluem manchas cinza que não podem ser removidas ou raspadas, áreas irregulares ou de textura plana (bem como aquelas que podem parecer espessas ou endurecidas) ou até o aparecimento de lesões vermelhas elevadas (chamadas eritroplasias), que são as mais sugestivas de alterações pré-cancerosas que ocorrem na boca.

 

Leucoplasia pilosa

Há um outro tipo, chamado de leucoplasia pilosa, que, da mesma forma que a candidíase oral, afeta as pessoas com o sistema imunológico debilitado de uma forma mais adversa. A leucoplasia pilosa dá origem a manchas brancas de aspecto capilar que podem ser confundidas com candidíase oral. A leucoplasia pilosa é resultado de infecções decorrentes do vírus Epstein-Barr (VEB), que permanece no organismo por toda a vida. Embora permaneça normalmente latente, o vírus pode ser ativado (ou reativado) devido ao enfraquecimento do sistema imunológico.

As pessoas portadores de HIV/AIDS são muito mais propensas a desenvolver esse tipo de leucoplasia por causa de suas deficiências imunitárias. De acordo com o site do Johns Hopkins, 25% das pessoas HIV positivas são afetadas pela leucoplasia pilosa. Sua ocorrência pode significar uma das duas coisas: que o HIV está se espalhando pelo organismo ou que a terapia antirretroviral está perdendo sua eficácia na luta para ajudar o sistema imunológico enfraquecido.

Embora não seja dolorosa e possa não levar ao câncer, a leucoplasia pilosa pode indicar uma infecção por HIV ou AIDS. Mesmo depois que as manchas da leucoplasia forem removidas, ainda existe o risco de ocorrer algum tipo de câncer de boca no futuro; portanto, é melhor permanecer vigilante com relação à cavidade bucal até que o dentista diga que está tudo bem.

 

Fale com o dentista ou médico especialista sobre a leucoplasia

Se você acha que tem evidências de leucoplasia, considere uma consulta com o dentista ou clínico geral. Também é possível que você seja encaminhado a um cirurgião-dentista (ou otorrinolaringologista) para receber o diagnóstico e tratamento.

Antes da consulta, anote todas as suas dúvidas, por exemplo, o que pode ser feito sobre isso? Será necessária uma cirurgia? Quanto tempo pode durar? Posso tomar algum medicamento?

Anote qualquer mudança comportamental que você tenha feito na época em que as manchas apareceram, como alterações nos hábitos alimentares ou bucais. Se essas alterações afetaram negativamente sua condição, mudar esses hábitos pode ajudar a aliviar os sintomas (embora possa não curar todos eles).

O médico ou dentista também fará perguntas a você, para identificar comportamentos ou mudanças de hábitos que possam estar afetando sua condição. Responda as perguntas com toda a franqueza, para que ele consiga indicar o tratamento mais eficaz o mais rápido possível.

 

Exames e diagnóstico

O diagnóstico da leucoplasia envolve, em primeiro lugar, que o médico ou dentista examine sua boca e descarte toda e qualquer outra causa possível. O médico ou dentista excluirá os primeiros sinais de câncer, com exames que podem incluir:

 

  • Amostra de tecido para biópsia - um pequeno pedaço de tecido será removido de qualquer uma das lesões e enviado para exame.
  • Análise laboratorial do tecido - o patologista do laboratório inspecionará e examinará o pedaço de tecido em busca de células anormais (carcinoma) que possam ter surgido.
  • Biópsia excisional - se os resultados dos exames iniciais forem positivos, será feita uma biópsia excisional. Nesse caso, o dentista removerá uma das lesões por inteiro (se for pequena) ou o encaminhará a um cirurgião-dentista se a lesão for maior e exigir um profissional mais qualificado.

 

Tratamento da leucoplasia

A leucoplasia pode ser tratada com dois tipos de medicamento: sistêmico e tópico.

Se o dentista recomendar um medicamento sistêmico, ele prescreverá um antiviral como valaciclovir ou fanciclovir. Embora o vírus que causa a leucoplasia permaneça no organismo, sua propagação pode ser interrompida. O tratamento regular pode eliminar as lesões leucoplásicas, mas elas podem retornar sem o tratamento regular.

Se o dentista recomendar um medicamento tópico, pode ser podofilina ou ácido retinóico. Ambos são aplicados topicamente nas lesões, mas, como ocorre com tratamentos sistêmicos, elas podem retornar se o medicamento tópico não for usado com regularidade e constância.

 

Prevenção da leucoplasia

 

  • Evite o uso de tabaco - evitar fumar ou mascar produtos de tabaco é uma das melhores coisas que você pode fazer por sua saúde bucal. O médico tem acesso a programas de cessação do tabagismo (ou até mesmo medicamentos) que podem ajudá-lo a abandonar esse hábito e a manter a boca saudável. Se você é tabagista habitual (principalmente de tabaco mascável ou inalável), faça avaliações odontológicas regulares para evitar o surgimento repentino de lesões.
  • Evite bebidas alcoólicas - se você bebe muito, encontre uma maneira de limitar a ingestão de álcool. O consumo de álcool pode facilitar o surgimento de leucoplasia e câncer de boca no tecido da cavidade bucal.
  • Melhor alimentação - coma mais frutas, verduras e legumes frescos. São ricos em antioxidantes, que desativam moléculas nocivas antes que possam danificar os tecidos, o que os torna alimentos ideais para ajudar a reduzir o risco de leucoplasia.

Se você reconhecer os sinais ou sintomas de leucoplasia na boca, entre em contato com o médico ou dentista para poder começar a receber o tratamento adequado para afastar esse problema.

Este artigo tem como objetivo informar e difundir o conhecimento sobre tópicos gerais de saúde bucal. Esse conteúdo não deve substituir a orientação, o diagnóstico nem o tratamento profissional. Sempre procure a orientação do seu dentista ou de outro especialista para quaisquer dúvidas que você possa ter com relação à sua condição médica ou ao seu tratamento.

ARTIGOS RELACIONADOS