O que causa inchaços na língua?

Jovem sentado em skate, enviando mensagens no celular

Inchaços na língua podem aparecer por diversas razões. Eles podem resultar de uma mordida acidental na língua ou a causa pode ser algo mais sério. Se você estiver preocupado com um inchaço na língua que não desaparece, agende uma consulta com o médico ou dentista.

Saliências naturais na língua

Papilas são pequenas saliências naturais que recobrem a superfície da língua. Os quatro tipos de papilas existentes na língua são:

  1. Filiformes
  2. Fungiformes
  3. Circunvaladas
  4. Foliáceas

Esses tipos de papilas, com exceção das filiformes, apresentam botões gustativos. As papilas filiformes recobrem principalmente a parte de trás e o centro da língua, as fungiformes estão localizadas nas laterais e na ponta, as circunvaladas estão na parte de trás e as foliáceas ficam bem na frente delas e nas laterais da língua.

Causas do inchaço das papilas da língua

As papilas circunvaladas e foliáceas normalmente são grandes o suficiente para serem vistas a olho nu, mas às vezes uma papila aumenta de forma atípica devido a uma irritação ou inflamação. Essa doença é chamada de papilite lingual transitória. Uma mordida acidental na língua ou uma irritação provocada por alimentos ou produtos químicos pode causar o inchaço das papilas. A papilite lingual transitória também pode ser causada por deficiências nutricionais, tabagismo, consumo de álcool, acúmulo de placa ou uso de aparelho ortodôntico. Essa inflamação é temporária e geralmente se resolve espontaneamente.

Os inchaços na língua podem ocorrer como bolhas, úlceras e caroços. De acordo com o Merck Manual, outras causas de inchaços na língua podem ser aftas, infecções bacterianas, herpes labial, alergias, distúrbios do sistema imunológico e câncer de boca. Um inchaço também pode ocorrer na lateral da língua em um espaço criado por um dente faltante. Embora a maioria dos casos de inchaços na língua seja inofensiva, áreas brancas ou vermelhas, lesões ou caroços duros que surgem sem explicação na língua devem ser examinados por um médico o mais rápido possível.

Prevenção

Você pode prevenir os inchaços na língua evitando os fatores que podem causá-los. Tome cuidado ao mastigar os alimentos e use um protetor bucal ao praticar esportes para evitar morder a língua acidentalmente. Evite alimentos que causam irritação na boca para diminuir as chances de desenvolver inchaço nas papilas. Mantenha uma rotina adequada de higiene bucal, incluindo escovar a língua ao escovar os dentes.

Como curar o inchaço na língua

O tratamento raramente é necessário na maioria dos casos de inchaço na língua, incluindo aftas e papilas aumentadas devido a uma lesão na língua. Beber muita água e fazer bochechos com água morna e salgada pode ajudar no processo de cicatrização. Tratamentos tópicos, como géis anestésicos orais e medicamentos para aftas, podem ajudar a aliviar o desconforto. No entanto, se o problema persistir por mais de uma semana ou se tornar mais grave, consulte o dentista para fazer uma avaliação.

Os inchaços na língua podem ser irritantes e tediosos, mas a maioria deles é inofensiva e desaparece sem nenhum tratamento. Se você tiver um inchaço na língua que não desaparece ou que seja motivo de preocupação, consulte um médico.

Este artigo tem como objetivo informar e difundir o conhecimento sobre tópicos gerais de saúde bucal. Esse conteúdo não deve substituir a orientação, o diagnóstico nem o tratamento profissional. Sempre procure a orientação do seu dentista ou de outro especialista para quaisquer dúvidas que você possa ter com relação à sua condição médica ou ao seu tratamento.

ARTIGOS RELACIONADOS

Por que o tabaco é uma AMEAÇA À SAÚDE ORAL?

A maior ameaça do trabalho a saúde pode ser sua associação ao câncer bucal. A American Cancer Society relata que:

  • Aproximadamente 90 por cento das pessoas com câncer bucal e na garganta utilizaram tabaco. O risco de desenvolvimento de câncer aumenta conforme as pessoas fumam ou mascam com maior frequência ou por maior tempo.

  • Fumantes possuem seis vezes mais probabilidade do que não fumantes de desenvolverem cânceres.

  • Aproximadamente 37 por cento dos pacientes que continuam a fumar após tratamento de câncer desenvolverão outros cânceres na boca, garganta ou laringe. Somente 6 por cento das pessoas que desistem de fumar irão desenvolver cânceres secundários.

  • Fumantes de tabaco foram associados a cânceres nas bochechas, gengiva e superfície interior dos lábios. O tabaco sem fumaça aumenta o risco de câncer cerca de 50 vezes.