Lábio Leporino: quais medicamentos podem aumentar os riscos em recém-nascidos?

Lábio leporino é uma condição de nascença (congênito) caracterizada por uma divisão ou separação do lábio superior e pode ocorrer em um ou ambos os lados. Embora a causa exata ainda seja desconhecida, o risco de ter um filho com uma deficiência física pode aumentar com a utilização de certos medicamentos durante a gravidez.

Topiramato e Lábio Leporino

De acordo com a American Dental Association, associação dentária dos Estados Unidos (ADA), mulheres grávidas que tomam topiramato aumentam o risco de os bebês nascerem com lábio leporino. Os riscos também se estendem às versões genéricas do topiramato.

O topiramato é um medicamento para tratar convulsões epilépticas. O medicamento aumenta o risco da ocorrência de lábio leporino em recém-nascidos quando o seu uso ocorre durante os três primeiros meses de gravidez. A ADA explica que, "crianças expostas ao topiramato como terapia única experimentaram uma prevalência de 1,4% de ocorrência de lábio leporino em comparação a uma prevalência de 0,38% - 0,55% em crianças expostas a outros medicamentos antiepilépticos..."

Medicamentos para HIV

Os medicamentos antivirais utilizados por uma mulher grávida podem estar ligados ao lábio leporino em seu bebê, de acordo com publicação recente do American Dental Association.

De acordo com a análise do estudo, 26 casos de lábio leporino e fenda palatina estão associados com terapias antiretrovirais. Os medicamentos incluídos: efavirenz, nelfinavir, nevirapina e lamivudina. Os casos aplicam-se em ambas as situações, monoterapia e combinação de terapia para mães infectadas pelo HIV.

Conclusões

O lábio leporino se desenvolve a partir de uma combinação complexa de variáveis genéticas e ambientais. A incidência de lábio leporino em recém-nascidos pode aumentar quando mulheres grávidas fazem uso de topiramato e certos medicamentos para o HIV.

Mais pesquisas são necessárias para solidificar quaisquer ligações diretas entre os medicamentos e o defeito facial que afeta a capacidade de uma criança de comer, respirar e falar. Para corrigir o defeito normalmente um bebê é submetido a cirurgia aos três ou quatro meses de idade.