Dispositivo óptico ajuda a detectar câncer bucal

Um dispositivo óptico personalizado permite ao dentista visualizar se um paciente pode ter um câncer bucal em desenvolvimento, segundo um estudo publicado no Journal of Biomedical Optics.

Um dispositivo simples, de suporte manual, chamado de Visually Enhanced Lesion Scope (VELScope) emite um cone de luz azul dentro da boca, que estimula várias moléculas dentro das células, fazendo-as absorver a energia luminosa e reemiti-la na forma de fluorescência visível. Quando a luz é removida, a fluorescência do tecido deixa de ser visível.

Como as alterações na fluorescência natural do tecido saudável geralmente refletem alterações indicativas de células tumorais em desenvolvimento, o VELScope permite ao dentista incidir uma luz em uma lesão suspeita na boca, olhar através de uma ocular anexada e procurar diretamente por alterações de cor. Os tecidos bucais saudáveis emitem uma fluorescência verde-pálida, enquanto nos potenciais tumores iniciais, ou displásticos, as células aparecem verde escuro a preto.

Cientistas do Centro de Pesquisa do Câncer da Colúmbia Britânica, Vancouver, Canadá, testaram o dispositivo em 50 sítios teciduais em 44 pessoas. Verificaram que poderiam distinguir corretamente entre tecido saudável e anormal em todos os casos, exceto um. Seus diagnósticos foram confirmados através de biópsia e exames patológicos padronizados.

"A fluorescência natural da boca é invisível a olho nu", diz Mirian Rosin, PhD, autora sênior e bióloga especializada em câncer do centro de pesquisa. "O VELScope literalmente traz essa fluorescência natural à luz, ajudando os dentistas a responder de maneira mais embasada a uma pergunta comum da prática diária: fazer ou não a biópsia".

Determinar se uma lesão suspeita é benigna ou potencialmente cancerosa é cientificamente problemático. "Uma das razões principais é que a aparência pode enganar", diz a dra. Rosin. "O que era extremamente necessário na pesquisa do câncer bucal era uma forma de visualizar as informações biológicas e deixá-las dizer se a lesão tinha ou não probabilidade de se tornar cancerosa".

© Associação Dental Americana. Todos os direitos reservados. Probida qualquer reprodução ou redistribuição sem permissão prévia por escrito da Associação Dental Americana.