Café pode reduzir o risco de câncer bucal

Pessoas que bebiam mais de quatro xícaras de café por dia apresentaram metade do risco de morte por câncer de boca e garganta do que aquelas que bebiam café ocasionalmente ou nunca, disseram pesquisadores da Sociedade Americana contra o Câncer (ACS) num estudo publicado online em 9 de dezembro de 2012.

O café é uma das bebidas mais amplamente consumidas no mundo e contém uma variedade de antioxidantes, polifenóis e outros compostos biologicamente ativos que podem ajudar a proteger contra o desenvolvimento ou a progressão dos cânceres, disse a autora principal do estudo, Janet Hildebrand.

Embora seja menos comum nos Estados Unidos, o câncer de boca/faringe está entre os dez cânceres mais comuns no mundo. Nosso achado reforça a evidência de um possível efeito protetor do café na etiologia e/ou progressão dos cânceres de boca e faringe. Pode ser de considerável interesse investigar se o consumo de café pode levar a um prognóstico melhor após o diagnóstico de câncer de boca/faringe.

Estima-se que 40.250 novos casos e 7.850 mortes causadas por esses cânceres de boca e garganta seriam previstos nos Estados Unidos no ano de 2012. Homens são duas vezes mais propensos do que mulheres ao desenvolvimento de câncer na cavidade bucal ou faringe e morte decorrente dele.

O estudo da ACS foi bem abrangente, concentrando-se em 868 casos fatais de câncer de boca/faringe que ocorreram num período de 26 anos, entre 968.432 homens e mulheres que não apresentavam câncer quando o estudo se iniciou em 1982.

Estudos epidemiológicos anteriores sugeriram que a ingestão de café estaria associada com o risco reduzido de câncer de boca/faringe. Para explorar mais estes estudos, pesquisadores examinaram associações da ingestão de café, café descafeinado e chá com o câncer fatal de boca/faringe no Estudo de Prevenção do Câncer II, que foi publicado no American Journal of Epidemiology.

Poucos estudos examinaram o café e o descafeinado separadamente, talvez, dizem os autores, por conta dos dados limitados sobre o último, que é consumido menos frequentemente e em menores quantidades do que o café normal.

Pesquisadores descobriram que o consumo de mais de quatro xícaras de café por dia estava associado com um risco 49% menor de morte por câncer de boca/faringe em relação à ingestão ocasional ou nenhuma de café. Os dados “sugeriram” resultado similar para pessoas que bebiam mais de duas xícaras por dia de café descafeinado, embora esses dados não  tenham sido considerados estatisticamente significantes. Nenhuma associação foi encontrada para a ingestão de chá.

Os autores do relatório incluíam cientistas afiliados ao Programa de Pesquisa em Epidemiologia da Sociedade Americana de Câncer, Departamento de Otorrinolaringologia – Cirurgia de Cabeça de Pescoço da Universidade Emory e do Departamento de Medicina Ambiental do Centro Médico da Universidade de Nova York. A ACS patrocina a criação, manutenção e atualização do grupo do Estudo de Prevenção do Câncer II.

Na condição de uma das bebidas mais amplamente consumidas no mundo, o café e seus efeitos na saúde humana são de interesse considerável, conclui o estudo. Embora alguns problemas de saúde contra-indiquem o consumo de qualquer bebida contendo cafeína de maneira regular, nossos resultados contribuem com o corpo de pesquisa que sugere que possa haver efeitos benéficos no café, particularmente o cafeinado, e seu desfrute diário.

© Associação Dental Americana. Todos os direitos reservados. Probida qualquer reprodução ou redistribuição sem permissão prévia por escrito da Associação Dental Americana.